Heloy, voz de pássaro.


Tive o prazer de ouvir Heloy de Castro interpretar a canção 'Patchouli' (1988) no meu primeiro espetáculo, Opus Alchymicum (1990). A sensação foi a de que eu tinha realmente composto uma bela música. Acompanhado pela flauta penetrante de João Veras, Heloy surfava na melodia com maestria, dando ao ritmo (originalmente, uma balada em compasso livre) um balanço de samba-canção. Conheci Heloy, cantando no Casarão, no final dos anos 80. O festival de 88 e o bar/restaurante Casarão marcaram a cultura urbana na cidade de Rio Branco-Ac naquela década. Ficava impressionado com sua afinação e alcance vocal, razão pela qual o convidei para interpretar 'Patchouli' no "Opus Alchymicum'. Nossa, como pulei de alegria, quando ele topou a parada, juntamente com o João! E como apresentou com sentimento o lindo poema de Edson Alexandre, que transformei numa romântica ária amazônica! Agradeço, mais uma vez, ao Heloy, pela gentileza! Fica o mistério: até hoje não sei se é a voz dele que imita a flauta do João, ou se é o contrário. O que importa é que é boa a mímese entre os dois, que tocam e compõem juntos desde o tempo dos festivais. Falarei sobre o João no próximo post!




#SergioPatchouli #biografia #crítica

Posts Em Destaque
Posts em breve
Fique ligado...
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
  • Twitter Social Icon
  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon