March 1, 2019

December 17, 2018

December 12, 2018

December 3, 2018

November 26, 2018

Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

Corporis

December 5, 2017

Adoro me apresentar em teatros e teatralmente. Em 1994, convidei nosso melhor dramaturgo para dirigir Corporis. Nessa época, eu havia me encantado com A Ciência Jurídica e Seus Dois Maridos, do jusfilósofo argentino Luiz Alberto Warat, de forte influência da nova filosofia francesa (Gilles Deleuze, Felix Guattari, Roland Barthes). De outra parte, o filme Drácula, de Bram Stoker, me despertou um clima neogótico, de sombras, poesia e sensualidade. Quis trazer isso para a música e para o palco. Foi quase um ano de oficinas e ensaio sob a direção de Betho Rocha. No elenco: Kelen Mendes, sem dúvida, a grande revelação, hoje cantora e compositora reconhecida; Sâmea Brito, que ali iniciava uma novo percurso em sua vida, trocando seu papel de secretária recatada pelo glamour do teatro; Nilda Dantas - a melhor intérprete do pedaço, com presença de palco arrebatadora (a melhor, segundo Betho); Mabel Barros, maravilhosa com seu sax dourado (onde andarás, menina?); Araguacy Brazil, a mais ousada do grupo, pois, mesmo nunca tendo atuado, protagonizou um belíssimo nu artístico (papel recusado pela Cila) e Ivan de Castela, artista versátil, entre nós o mais íntimo com a linguagem do teatro. Natal Santos, o Nath (hoje, doutor em medicina), foi assistente de direção e de programação visual. A luz foi dirigida especialmente pelo Betho e operada pelo Azeitona (e que luz aquela!!!). A flauta, a gaita e os efeitos eletrônicos ficaram com o inspirado João Veras, que deu um tom psicodélico e lounge ao roteiro, com sons fenomenais. A fotografia foi do José Diaz. Uma equipe e tanto! Convidei, recém-chegado da Itália, Danilo Di S'Acre, para desenhar livremente e expor no hall do Teatro Plácido de Castro a temática do espetáculo. Foi a primeira e única vez que Betho dirigiu um espetáculo musical, com tanto foco e determinação. Ele não gostava dos músicos de nossa aldeia, pois os considerava insensíveis à linguagem do teatro. Dizia Betho que, em Rio Branco, músicos só se apresentavam em butecos, não tinham a dimensão do trabalho do espetáculo, tocavam para entreter tagarelas e consumidores cheios de si. E quando tinham que se apresentar em um teatro, transformavam o palco literalmente num bar.  Betho tinha e continua tendo toda a razão. Mas Corporis foi uma exceção. É uma pena que esse espetáculo, uma reflexão estética sobre o corpo e o desejo, tão fundamental na minha carreira, tenha sido omitido - por falta de aprofundamento, ignorância ou má-fé -  dos documentos  sobre a obra do Betho, após seu brutal desaparecimento. Estranho esquecimento de nossa história cultural. A perseguição política promove o ódio, a violência e a eliminação da memória coletiva.

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
  • Twitter Social Icon
  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon