March 1, 2019

December 17, 2018

December 12, 2018

December 3, 2018

November 26, 2018

Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

Fragmentos

March 8, 2018

Em 1995, apresentei Fragmentos. O tema da vez era o movimento de busca do singular e do desconectado de sistemas e totalidades. No programa estava escrito:

 

"Não mais que um recital, interpreto belas canções falando de loucura, amor, sedução e poder. Porções de Pessoa, Joplin, Caetano, Chico, Mautner e outros são lançadas no palco para que o público reflita, a seu modo, suas inquietações com a pós-modernidade anunciada. Música e semiótica fragmentadas em sons e signos: a proposta estética do espetáculo. Com simplicidade, mostro uma arte em relação, invocando outras linguagens num ritual de passagem para a busca do outro, em novo tempo e espaço".

 

No final, uma citação de Gramsci:

 

"O artista não sinaliza exteriormente seus fantasmas apenas para sua recordação pessoal, para poder reviver o instante da criação, mas só é artista na medida em que sinaliza exteriormente, em que objetiviza e historiciza seus fantasmas".

 

Eis um exemplo de como sempre conjuguei minha música com a arte e a filosofia, ou anti-filosofia.

 

Na ficha técnica, Jorge Henrique e Karla Kristina declamaram as poesias, Jaqueline Mesquita expôs seus quadros e desenhou o cenário, Moreno tocou berimbau, o Grupo "De olho na coisa" assombrou com suas máscaras, Ivan de Castela iluminou, Elza e Gorete vocalizaram e João Veras soprou sua flauta e espalhou seus efeitos. Estávamos juntos quando o poder do Um estava longe de nós. Depois o poder do Um nos apartou. Éramos juntos e apenas brincávamos com a ideia de fragmentação. Agora estamos fragmentados de verdade e não achamos a menor graça de termos perdido o elo livre com o outro. Vivemos o tempo em que grande parte dos artistas estão no pelourinho, verticalizados pelo Um, (v)(r)endidos aos fabricantes de concordância, ainda que assim não pareça. A arte tornou-se apenas um artefato da expressão sem eloquência, da tagarelice festeira e inofensiva. 

 

Eu estava indo embora pra Floripa, cursar meu mestrado. Foi minha despedida musical de Rio Branco, mas só tomei consciência disso quando abri o jornal e li uma matéria sobre o espetáculo - num tom que me surpreendeu - pelo jornalista Józimo de Souza, na edição da Gazeta, de 03/02/1995. A manchete dizia: "Eu quis ficar aqui, mas não podia" e o texto falava de mim de um modo que eu não costumava ouvir:

 Obrigado pela força e empatia, Józimo!!!

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga